Engenharia Elétrica

Facilidade de raciocínio e domínio em disciplinas de cálculo são alguns dos requisitos fundamentais para ingresso no curso de Engenharia Elétrica.

Publicado por Bruna Carneiro em Engenharias

Compartilhe

Engenharia Elétrica estuda transmissão, recepção e distribuição da energia em diversos setores
Engenharia Elétrica estuda transmissão, recepção e distribuição da energia em diversos setores

A Engenharia Elétrica é responsável pelo desenvolvimento de dispositivos eletroeletrônicos com função nas áreas de telecomunicações, computação, robótica, eletrônica, etc. Ela estuda a transmissão, recepção e distribuição da energia elétrica em diversos setores de hidrelétrica, termelétrica e subestações de energia, assim como os sistemas responsáveis por esses processos. 

O profissional de engenharia elétrica desenvolve suas funções na elaboração de projetos de sistemas de automação, medição, instrumentação, máquinas, controle de linhas de produção etc. Ele também participa do processo de construção de usinas hidrelétricas, termelétricas e nucleares, atuando como supervisor e orientador das tarefas aplicadas ao campo da eletroeletrônica e eletrônica. 

 

Público-alvo
Para ingressar em Engenharia Elétrica, um dos requisitos principais é ter facilidade de raciocínio em relação aos princípios de mecânica, física e dos conhecimentos científicos. Além disso, também é necessário ter um grande domínio em disciplinas de cálculo, dedicação, concentração, gosto por realizar pesquisas e estudos, interesse em projetar coisas, habilidade numérica etc.

 

O curso
O curso de Engenharia Elétrica é baseado nas disciplinas de matemática, física, administração, economia e informática. No início da graduação, o curso é cheio de aulas práticas feitas através de experimentos realizados em laboratórios. Com o tempo, os alunos começam a elaborar seus primeiros projetos da carreira, como os de sistemas elétricos, materiais elétricos, sistemas digitais e eletromagnetismo. 

 

Duração média 
Bacharelado – 10 semestres

 

Mercado de Trabalho
As empresas de contratação mais tradicionais são as concessionárias de energia, construtoras e empresas de tecnologia da informação. Mas, além disso, o recém-formado pode desenvolver suas atividades na área de telecomunicações, pesquisa e desenvolvimento em empresas de energia, computação e até mesmo no setor financeiro, que é um dos mercados que mais buscam profissionais da área. 

No Brasil, as regiões que possuem um mercado mais amplo são Sudeste e Sul, onde se concentram os maiores polos industriais do país. Porém, as indústrias da região Norte e Nordeste têm passado por um extremo crescimento, o que possivelmente ocasionará, em um futuro muito próximo, uma abertura do mercado nessas localidades. 

Todas as equipes avançadas de desenvolvimento buscam profissionais com formação de mestres e doutores. O engenheiro bem sucedido em sua carreira pode conquistar cargos administrativos ou gerenciais em grandes empresas, devido ao crescimento do mercado. Além disso, o mercado abre oportunidades para professores universitários, pois com o aumento do número de estudantes interessados na área, aumenta a quantidade de cursos oferecidos nas universidades. 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Formas de Atuação
O engenheiro eletricista pode atuar em diversas áreas, devido a sua formação generalista, dando a ele a possibilidade de se encaixar na supervisão, coordenação ou na orientação de estudos nos campos da eletrotécnica e eletrônica. Ele ainda pode lidar com atividades de computação, microeletrônica, circuitos integrados, comunicações e telecomunicações, automação, medição e controle elétrico e eletrônico; estudar o funcionamento das instalações de rádio, televisão etc. Outras áreas de atuação do engenheiro eletricista são na elaboração e direção de projetos para geração de energia elétrica, desenvolvendo e montando equipamentos como transformadores, motores etc. 

 

Campos de Atuação 
Automação
(Projeção de equipamentos eletrônicos visando à diminuição do uso da mão de obra nas linhas de produção industrial, substituindo-as por máquinas.)

Eletrônica
(Desenvolvimento de sistemas eletrônicos com o objetivo de adquirir e transmitir dados por radiofrequência, como áudio, pressão etc.)

Eletrotécnica 
(Construção de usinas, redes de geração de energia e também os equipamentos utilizados na transmissão, geração e destruição; planejamento, manutenção e ampliação das redes de alta-tensão) 

Engenharia Biomédica
(Gerenciamento do uso dos equipamentos de assistência médica que são utilizados nos hospitais e laboratórios; além de sua construção e manutenção)

Hardware e programação
(Desenvolvimento e programação de sistemas) 

Instrumentação
(Criação de sistemas e equipamentos para realização de medidas, atuadores e registro de dados)

Microeletrônica
(Criação e sistemas integrados de computação, telecomunicações e entretenimento, testando-os e projetando-os.)

Telecomunicações
(Criação de sistemas de comunicação e processamentos de sinais; desenvolvimento de serviços de expansão da telefonia e equipamentos de transmissão de dados por imagem e som)

 

Regulamentação da profissão 
Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966.

 

Quantidade média de profissionais
Estima-se que exista uma média de 110 mil engenheiros ativos no mercado de trabalho.

 

Remuneração média
R$ 3 mil a R$ 5 mil para profissionais recém-formados

 

Exigências para exercício da profissão
Para desenvolver a função é necessário ter diploma de graduação em Engenharia Elétrica e ser registrado no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. 

 

A opinião de quem entende
O Super Vestibular quer saber como é a sua experiência como engenheiro eletricista ou estudante da área. Conte-nos!

 

VEJA TAMBÉM

1 2
  • Confira a 3ª chamada do Vestibular 2019 da UNEB

    A Universidade do Estado da Bahia (UNEB) publicou na tarde desta sexta-feira, 22 de fevereiro, a relação de aprovados na terceira chamada do Vestibular 2019.

  • Fuvest solta a 5ª chamada do Vestibular 2019

    A Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) divulgou hoje, 22 de fevereiro, a 5ª chamada do Vestibular 2019 para ingresso na Universidade de São Paulo (USP). Agora, é necessário fazer a etapa virtual, das 08h de segunda-feira, 25 de fevereiro até as 16h do dia 26.

  • Unicamp divulga 3ª chamada do Vestibular 2019

    A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) soltou nesta quarta-feira, 20 de fevereiro, os aprovados em 3ª chamada no seu Vestibular 2019. Conforme o calendário liberado pela universidade, os selecionados deverão fazer as matrículas no dia 22 de fevereiro.

  • UEM divulga mudanças para o Vestibular 2019

    A Universidade Estadual de Maringá (UEM), divulgou essa semana a aprovação de alterações no regulamento do Vestibular para cursos de graduação em 2019. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP) da Universidade deu o aval nas propostas sugeridas pela Comissão Central do Vestibular Unificado (CVU).

  • 2ª repescagem do PS 2019 da UFPA está disponível

    A Universidade Federal do Pará (UFPA) soltou ontem, 20 de fevereiro, o resultado da 3ª repescagem seu Processo Seletivo (PS) 2019, cujo critério de seleção foi o desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018. Selecionados deverão realizar matrículas a partir desta sexta-feira, 22, para a entrega dos documentos exigidos no curso em que foram classificados.

  • 2ª reclassificação do PISM 2019 da UFJF é publicada

    A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais, solto nesta quarta-feira, 20 de fevereiro, a lista de aprovados na 2ª reclassificação da terceira etapa do Programa Seletivo de Ingresso Misto (PISM) 2019. Agora, os aprovados deverão fazer a pré-matrícula online até sexta-feira, dia 22.