Logo Super Vestibular
  1. Home
  2. Dicas
  3. Os limites e prejuízos da greve na educação

Os limites e prejuízos da greve na educação

Mesmo previsto em lei, greve na educação acaba desconsiderando prejuízos e consequências da paralisação para os estudantes.

Publicado por Wanja Borges
Greve na educação divide opiniões de trabalhadores e da população*
Greve na educação divide opiniões de trabalhadores e da população*

Deflagrado normalmente para reivindicar a garantia dos direitos de uma determinada categoria, como melhores condições de trabalho e aumento de salário, o movimento paredista tem sido motivo de polêmica nos últimos anos. Iniciada no Brasil ainda no século XIX e reforçada no começo do século XX, com a Greve Geral de 1917, essa luta de classes vem dividindo opiniões dos trabalhadores e da população, principalmente em relação aos seus limites e prejuízos. 

Em 2012, essa situação se agravou, ainda mais, com a greve do ensino público federal. Com adesão de mais de 95% das instituições federais de ensino superior, a paralisação foi considerada a maior já realizada no país. O movimento, que teve início no dia 17 de maio, reivindicou a reestruturação da carreira dos docentes e o reajuste salarial dos servidores. Encerrada somente 120 dias depois, em grande parte das instituições, a greve afetou quase 80 universidades e mais de 100 mil estudantes. 

Não resta dúvida de que a educação interfere diretamente na formação humana e na construção do sujeito e, por isso, nada mais justo do que profissionais valorizados e recursos financeiros suficientes para investimento em programas da área. A questão é que mesmo legal, o movimento acaba desconsiderando outros aspectos que também são de direito fundamental e de cunho social, como a situação dos estudantes e de toda a população envolvida direta ou indiretamente. 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nesses quatro meses, o calendário acadêmico foi paralisado e as aulas foram suspensas, o que causou um grande atraso no semestre letivo e, consequentemente, atropelamento do conteúdo pendente durante sua reposição. Além disso, todo o calendário teve de ser reorganizado. Dessa forma, mesmo sem perda de semestre, os estudantes foram penalizados com a adaptação depreciada da metodologia de ensino e reposição das aulas no período de férias.

Nesse caso, os formandos também foram prejudicados. Com a suspensão das aulas, eles se viram obrigados a reprogramar suas comemorações. O período para festas foi substituído pela recuperação do conteúdo perdido. Como os técnico-administrativos também deflagraram greve, atrasos na emissão das notas finais e, consequentemente, do diploma também foram notificados. Além disso, o calendário seguinte, na maioria das instituições, também sofreu significativo atraso. 

Não há dúvidas de que muito ainda precisa ser feito para melhorar a educação brasileira, contudo, medidas alternativas, que não prejudiquem os jovens estudantes, também devem ser estudadas diuturnamente. Lutar pela garantia de um direito, violando o direito de outrem, acaba soando como contradição, por isso, mais do que garantir a realização de processos seletivos ou reposição do prejuízo, não seria melhor preservar o presente e garantir o futuro desses estudantes? Fica a pergunta. Fica a reflexão. 

 

*Créditos da Imagem
Atomazul http://www.shutterstock.com/gallery-602539p1.html?cr=00&pl=edit-00
Shutterstock.com http://www.shutterstock.com/?cr=00&pl=edit-00

 

Veja também

Inep registra mais de 320 mil pedidos de isenção de taxa no Enem 2020
O prazo segue aberto até o dia 17 deste mês. Vale lembrar que o prazo para solicitar isenção para o Enem provas tradicionais e para o Enem Digital é o mesmo.

Veja datas dos Vestibulares 2021 da Unicamp
Instituição divulgou cronograma dos processos seletivos tradicionais, via Enem, Indígena e por vagas olímpicas

Enem 2020: sistema para solicitação de isenção não está funcionando corretamente
Já no início do processo, quando solicitado o número do CPF do candidato e a data de nascimento, o estudante encontra erro, não conseguindo prosseguir no cadastro.

Inscrições para pedidos de isenção de taxa do Enem 2020 estão abertas
Os participantes precisam ter a documentação que comprove o direito à gratuidade da taxa de R$ 85. Vale lembrar que o prazo para solicitar isenção para o Enem provas tradicionais e para o Enem Digital é o mesmo.

Seleções dos Vestibulares 2020/2 do IFF estão suspensas
Instituto tomou medida devido à pandemia do novo coronavírus. Com isso, todo o cronograma está suspenso, inclusive as inscrições que seriam finalizadas na segunda (06)

UEM suspende Vestibular de Inverno 2020
A medida foi tomada respeitando as recomendações de isolamento domiciliar da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde.

Secretários da educação pedem adiamento do Enem 2020
UNE e Ubes também acreditam que provas do maior exame educacional devem ser alteradas

Enem Digital: aplicação do novo formato será ampliado para atender as 27 unidades da Federação
A medida está entre as demandas recebidas durante o dia de ontem pelo Inep, e tem como objetivo levar o Enem Digital, para todo o Brasil.

Cederj está com inscrições abertas para o Vestibular 2020/2
Os interessados podem se inscrever até o dia 14 de maio. A taxa de inscrição é de R$ 69 e poderá ser paga até o dia 15 seguinte.  

UERJ suspende calendário do 1º Exame de Qualificação (EQ) do Vestibular Estadual 2021
A UERJ comunicou ainda que um novo calendário será divulgado e, por isso, as datas anunciadas anteriormente deverão ser desconsideradas.

Edital do Enem 2020 é divulgado
Solicitações de isenção de taxa terão início no dia 06 de abril.

UECE terá novo prazo de inscrição do Vestibular 2020/2
Também será divulgado um novo cronograma de provas, já que o calendário atual foi suspenso devido da pandemia da covid-19.