Home Notícias Após denúncias, UFMG adota medidas para evitar fraudes no Sistema de Cotas

Após denúncias, UFMG adota medidas para evitar fraudes no Sistema de Cotas

Autodeclarados pretos, pardos e indígenas terão que informar porque se encaixam nas ações afirmativas

Publicado por Lorraine Vilela em 26 de Setembro de 2017 às 15:20 em Notícias

Compartilhe

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) anunciou na noite de ontem, 25 de setembro, a implantação de medidas de acompanhamento das ações afirmativas após denúncias de fraudes no sistema de cotas.

Entenda a Lei de Cotas

Veja tambémUFRGS cria novas cotas e anuncia criação de comissão para avaliar critério de raça

O posicionamento da UFMG veio após a divulgação da reportagem da Folha de São Paulo que denunciou estudantes brancos se passando por negros e pardos para entrarem na universidade pelas cotas raciais. O veículo mostrou na denúncia os alunos de Medicina Vinicius Loures, Bárbara Facchini e Rhuanna Laurent.

A estudante Rhuanna Laurent se pronuciou sobre a acusação em uma rede social. No entanto, excluiu seu perfil após a publicação. 

Rhuanna se justificou em uma rede social

Medidas

A UFMG se pronunciou por meio de uma nota em seu site, na qual informa que os casos de supostas fraudes foram denunciados em julho e as investigações seguem em sigilo. 

Para 2018, a UFMG exigirá dos estudantes que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas o preenchimento presencial da autodeclaração de etnia, na qual eles deverão indicar o motivo pelos quais se reconhecem como pertencentes a um destes grupos étnicos. 

Em relação à renda, a UFMG já faz a conferência das informações dos candidatos por meio de documentos e comprovantes no momento da matrícula institucional. 

Foto do estudante Vinícius Loures no site Couch Surfing

Ingresso na UFMG

O ingresso na UFMG é feito pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSU), método que exclui a realização de provas e utiliza apenas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

As vagas oferecidas pela UFMG se dividem em ampla concorrência; estudantes de escolas públicas independente de renda e etnia; alunos da rede pública com renda familiar de até 1,5 salário mínimo por pessoa; estudantes de escolas públicas de baixa renda autodeclarados pretos pardos e indígenas; alunos da rede pública autodeclarados pretos, pardos e indígenas que não são de baixa renda. 

Apenas os cursos que exigem a verificação de habilidades específicas não participam do SiSU. Neste caso, a parte teórica geral é avaliada pelas provas do Enem e testes específicos são aplicados pela UFMG. 

Mais informações no site da UFMG

VEJA TAMBÉM

1 2