Home Enem Por que fazer Estudar em Portugal usando o Enem

Estudar em Portugal usando o Enem

As notas obtidas nas provas do Enem podem ser utilizadas para ingresso em cinco universidades de Portugal.

Publicado por Rafael Batista em Por que fazer

Compartilhe

Universidade de Coimbra é uma das instituições que aceitam o Enem
Universidade de Coimbra é uma das instituições que aceitam o Enem

Além de ser uma das principais portas de entrada na maioria das universidades brasileiras, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é uma das formas de seleção de estudantes brasileiros em algumas instituições portuguesas. São Universidades e Institutos que celebraram um convênio interinstitucional com o Inep para viabilizar o ingresso dos estudantes brasileiros em seus cursos de graduação.

Para que tal convênio aconteça, as instituições precisam indicar um responsável técnico que proceda o envio da documentação necessária e realize o cadastro para ter autorização aos dados do Enem via internet. Todos os critérios para utilização da nota do exame por instituições nacionais ou estrangeiras estão disponível na Portaria 436 do Inep.

Os candidatos precisam ter média dentro das expectativas do curso ao qual se deseja candidatar. Para saber se a nota obtida no exame brasileiro está dentro dos critérios, os estudantes podem acessar os sites das Universidades e tomar conhecimento do processo de cálculo dos resultados alcançados nas provas.

As primeiras adesões foram feitas em 2014, pelas Universidades de Coimbra (UC) e da Beira Interior (UBI). Hoje são 22 instituições portuguesas que adotaram o Enem como forma de ingresso para estudantes brasileiros. Confira a lista:

Universidade de Coimbra (UC) 
Universidade de Aveiro (UA)
Universidade dos Açores (UAC) 
Universidade da Beira Interior (UBI) 
Universidade de Algarve (UAlg) 
Universidade de Lisboa (ULisboa)
Universidade Lusófona (ULusófona)
Universidade Lusófona do Porto (ULP)
Universidade da Madeira (UMa)
Universidade do Minho (Uminho)
Universidade do Porto (U.Porto)
Universidade Portucalense (UPT)
Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)
Instituto Politécnico de Beja (IPBeja)
Instituto Politécnico de Bragança (IPB)
Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB)
Instituto Politécnico do Porto (IPP)
Instituto Politécnico Portalegre (IPPortalegre)
Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA)
Instituto Politécnico de Coimbra (IPC)
Instituto Politécnico da Guarda (IPG)
Instituto Politécnico de Viseu (IPV)
Instituto Politécnico de Santarém (IPSantarem)
Instituto Politécnico de Setúbal (IPS)
Instituto Universitário da Maia (Ismai)
Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (Cespu)

A primeira a anunciar o uso do Enem como nova metodologia de seleção foi a Universidade de Coimbra, aceitando as notas de uma das três últimas edições do Enem. Por exemplo para pleitear a uma vaga em 2017 o estudante deve ter realizado o exame em 2016, 2015 ou 2014.

A Universidade da Beira Interior aderiu ao Enem para ingresso de brasileiros poucas semanas depois da Universidade de Coimbra. No entanto, a UBI somente aceita as notas das duas últimas edições do Enem imediatamente anteriores ao período em que o estudante deseja ingressar. 

Na Universidade de Alvarge (UAlg), candidatos brasileiros a um curso de graduação devem ter atingindo a nota mínima de 500 pontos na prova de redação do e pelo menos 475 em cada uma das provas objetivas do Enem.

Novas adesões

Em 2015, o MEC anunciou novos acordos com outras nove instiuições portuguesas. Uma delas foi o Instituto Politécnico de Leiria, que considera as notas do Enem com pesos diferentes para cada curso, conforme os critérios adotados para cada processo seletivo.

No Instituto Politécnico de Beja, que também aderiu ao Enem em 2015, a nota de corte depende das exigências de cada curso, considerando o desempenhono Enem dos dois anos anteriores ao da inscrição. Já no IP do Porto é considerado o valor médio dos resultados de desempenho em cada uma das áreas de conhecimento e de redação do Enem, convertida na escala de classificações portuguesa (0 a 20).

O  Instituto Politécnico Portoalegre seleciona estudantes brasileiros com base nas notas de uma das três últimas edições do exame. No caso das vagas oferecidas pelo Instituto Politécnico do Cávado e Ave,os estudantes precisam obter as notas segundo uma escala estabelecida pela instituição.

No final de 2015, foram anunciadas outras quatro instituições: as Universidades de Lisboa (Ulisboa) e de Aveiro (UA) e o Instituto Politécnico da Guarda (IPG), que utilizam as notas da última edição do Enem, e o Instituto Politécnico de Coimbra (IPC), que considera as três últimas edições.

2016

Em 2016, mais três universidades e dois institutos politécnicos passaram a integrar a lista de conveniadas ao Inep, utilizando a nota do Enem. Foram as Universidades do Porto (UP), da Madeira (UMa), dos Açores (UAC) e do Minho (Uminho), além do Instituto Politécnico de Viseu (IPV) e do Instituto Politécnico de Santarém (IPSantarem).

Além destas, a Universidade da Beira Interior (UBI), que já aceitava o Enem, mas sem acordo com o MEC, formalizou o acesso às informações.

Acordos em 2017

Desde o começo do ano foram celebrados quatro novos acordos, um deles em março com a Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (Cespu), que oferece cursos de graduação na área da saúde. Os outros três convênios foram formalizados em abril com a Universidade Lusófona (ULusófona) e os Institutos Politécnicos de Setúbal (IPS) e de Bragança (IPB).

Gastos

Os custos de um acadêmico brasileiro em Portugal variam entre 4.500 € e 15.000 € (aproximadamente de R$ 15 mil a R$ 50 mil) anuais, incluindo mensalidade, hospedagem, material escolar e transporte. Algumas universidades oferecem bolsa ou ajuda de custo para estudantes melhores classificados no processo seletivo.

Para estudar nas universidades portuguesas utilizando a nota do Enem, os estudantes brasileiros devem estar atentos ao período de inscrição. Acesse o site das instituições para mais informações.

VEJA TAMBÉM

1 2