Home Dicas Conheça os tipos de redação cobrados no vestibular

Conheça os tipos de redação cobrados no vestibular

Atualmente, vestibulares cobram outros gêneros textuais, além da dissertação, em suas provas de redação.

Publicado por Wanja Borges em Dicas

Compartilhe

Mesmo a dissertação sendo o tipo mais cobrado nas provas de redação, outros gêneros também podem ser solicitados
Mesmo a dissertação sendo o tipo mais cobrado nas provas de redação, outros gêneros também podem ser solicitados

Ao contrário do que muitos pensam, a dissertação não é o único gênero textual cobrado nos vestibulares e processos seletivos. Em Universidades em que a Prova de Redação é o principal instrumento de avaliação, os estudantes geralmente precisam produzir de dois a quatro textos sobre diferentes estilos, como Narração, Descrição, Carta, Estilo Jornalístico e Comentário. Confira, resumidamente, as especificidades de cada um deles: 

Dissertação
Na dissertação, o assunto deve ser debatido e discutido criticamente tendo como base opiniões fundamentadas. Pela regra, o texto dissertativo é estruturado em introdução, desenvolvimento e conclusão, formato que permite ao estudante expor o tema, defender seu ponto de vista através de argumentos e elaborar um desfecho persuasivo do assunto. Nessa modalidade, verbos e pronomes em primeira pessoa, bem como períodos longos, são substituídos por termos impessoais e objetivos, mais comuns na terceira pessoa do singular, e frases curtas. Gírias, termos coloquiais e gerúndio também devem ser evitados. 

Narração
No texto narrativo, a problemática deve ser apresentada em formato de história, com detalhamento dos personagens envolvidos e do tempo e espaço onde é deflagrado o episódio. Basicamente estruturado por verbos de ação e advérbios de tempo e lugar, esse estilo também conta com introdução, desenvolvimento e conclusão, acrescido de conflito e clímax. Geralmente, são utilizados verbos e pronomes em primeira e terceira pessoa. Além disso, nesse gênero, o estudante tem mais liberdade para usar a imaginação e abusar da função emotiva e poética.   

Descrição
De forma geral, descrição consiste na ação ou efeito de enumerar as partes essenciais de um ser. Isso significa que o texto descritivo deve ser constituído por um relato minucioso, representado pelos cinco sentidos (visão, tato, paladar, olfato e audição) e fidedigno à imagem real do animal, pessoa, ideia ou objeto tratado. Normalmente, ele é dividido em objetivo, quando a descrição é precisa, e subjetivo, quando permite mais de uma interpretação do leitor. Verbos de ligação, como ser e estar, são muito utilizados nesta modalidade, assim como adjetivos. 

Carta 
Normalmente apresentada de forma descontraída, no caso de contatos pessoais, ou com formalidade, em circunstâncias de reivindicações, por exemplo, a carta argumentativa é a modalidade mais cobrada nos vestibulares. Estruturada em cabeçalho (local e data), saudação (vocativo inicial), corpo do texto e assinatura, a redação em carta deve apresentar o ponto de vista do autor em seu início, meio e fim. Como é endereçada a alguém, a carta também conta com uma linguagem específica. Palavras em primeira pessoa, vocativos e verbos no imperativo são utilizados com frequência nesta modalidade. 

Estilo Jornalístico
Nos casos de textos escritos em linguagem jornalística, a objetividade, clareza e impessoalidade predominam. Os principais dados, como o que, quem, quando, onde, como e por que, devem ser informados já no primeiro parágrafo, mais conhecido como lead. Em notícias e reportagens, prevalece o caráter informativo do texto, enquanto em editoriais e artigos, a opinião do autor é sustentada por argumentos. Voz ativa, frases curtas e palavras simples são usadas com frequência nesta modalidade. Por outro lado, artigos indefinidos e pronomes possessivos e demonstrativos devem ser evitados. 

Comentário
Geralmente, as universidades cobram a produção de comentários em situações que envolvem ambientes virtuais, como um fórum de discussão, por exemplo. Nesse gênero textual, os estudantes possuem mais autonomia na escrita, contudo, o texto deve ter um propósito, fundamentado nos elementos fornecidos pelo material de apoio e em argumentos. A linguagem deve ser clara, sintética, coloquial e principalmente adaptada ao meio eletrônico, se este for o ambiente apresentado. Neste caso, o caráter dissertativo é substituído pela função opinativa. 

VEJA TAMBÉM

1 2